segunda-feira, 29 de setembro de 2014

A AUSTERIDADE FRACASSOU - Joseph Stiglitz



http://www.viomundo.com.br/politica/stiglitz-detona-teoria-economica-que-direita-brasileira-quer-importar.html

"A austeridade fracassou. Mas seus defensores estão dispostos a se dizer vitoriosos com base na mais fraca das evidências: a economia não está mais despencando, por isso a austeridade está funcionando! Mas se for esta a referência, poderíamos dizer que saltar de um precipício é a melhor maneira de descer uma montanha; afinal, a queda acabou."

domingo, 28 de setembro de 2014

POR QUE O BRASIL PRECISA DAS COTAS - Luiz Felipe de Alencastro



http://outraspalavras.net/brasil/por-que-o-brasil-precisa-das-cotas/

"Em março de 2010, Alencastro foi convidado a depor, numa das audiências públicas que o STF promoveu sobre as cotas. Sintética, erudita e elegante, sua intervenção destaca dois aspectos cruciais: a) A discriminação dos afrodescendentes está na raiz de fenômenos que deformam nossa sociedade até hoje – entre eles, impunidade, violência policial e negação dos direitos e da cidadania; b) Os avanços materiais e culturais vividos no século XX não foram capazes de superar esta nódoa. Um século depois de abolida a escravidão, as estatísticas demonstram que o abismo de desigualdade entre brancos e negros não se fecha por si mesmo."

sábado, 27 de setembro de 2014

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

ECOLALIA

É ecolalia – ela insistia
Eu – que nada sabia
Gaguejava cada sílaba
Do seu nome – padecia



Do direito a tornar-se adulto com dignidade - Caue Seigne Ameni



http://outraspalavras.net/destaques/do-direito-a-tornar-se-adulto-com-dignidade/

Neste processo de chegada à idade adulta não faríamos mais que aceitar as nossas inevitáveis limitações e preparar-nos para viver a realidade. A ideologia dominante não faria mais que assegurar que este capitalismo e este mundo estariam aqui para sempre. E, como a cultura popular e os maus filmes de ficção científica demonstram, é mais fácil imaginar uma grande catástrofe que destruísse o planeta, ou mesmo uma invasão de extraterrestres, que a simples mudança de um regime e modo de produção injusto, que desperdiça recursos e destrói o planeta. O capitalismo será, segundo este pensamento que pretendem coagir-nos a aceitar, a realidade que sobreviveria ao fim mesmo de toda a realidade: as máquinas automáticas venderiam Coca-Cola mesmo que os seres humanos desaparecessem para as consumir.

Mudança climática: e após a grande marcha? - George Marshall



http://outraspalavras.net/capa/mudanca-climatica-e-apos-a-grande-marcha/

"Por isso, se quisermos realmente produzir mobilizações relacionadas às mudanças climáticas, é fundamental reconhecermos que há, além dos fatos científicos, os fatos sociais. Estes, que incluem as narrativas construídas e o silêncio deliberado, são muito mais potentes. E criam – reforçados por nossa necessidade inata de estar em conformidade com a norma em nosso grupo social – as bases sobre as quais aceitamos, negamos ou ignoramos o problema.
Vista por esse ângulo, a situação está longe de ser desesperadora. Como os ciclos que regem os sistemas globais de energia e carbono, as atitudes do público estão sujeitas aos efeitos positivos das respostas que podem amplificar pequenas mudanças e resultar em rápidas guinadas. Grandes protestos com visibilidade e aumento da cobertura midiática podem romper o silêncio sobre as mudanças climáticas e criar um engajamento mais amplo. Acima de tudo, porém, é preciso reconhecer que a narrativa que escolhermos irá moldar os acontecimentos a partir de agora. Podemos continuar retornando à nossa necessidade de ter um inimigo. Mas a melhor história seria a de um propósito comum, construída em torno de nossa humanidade compartilhada."

sábado, 20 de setembro de 2014

CONFISSÃO



Cometi um poema
Confesso
Mesmo que trema
Confesso

Coisa pequena
Aquém do limite
Só uma simples cena
Um mero palpite
Nada que valha a pena

domingo, 14 de setembro de 2014

LEAP - LAW ENFORCEMENT AGAINST PROHIBITION

http://www.leapbrasil.com.br/

1. A LEAP não promove o uso de drogas e tem profundas preocupações com a extensão do abuso de drogas por todo o mundo. A LEAP também se preocupa de forma igualmente profunda com o destrutivo impacto da violência de gangues e cartéis em todas as partes do mundo. A atual política de proibição das drogas não resolve nenhum desses problemas. Na realidade, o abuso de drogas e violência das gangues florescem no ambiente proibicionista, da mesma forma que floresceram durante a proibição do álcool.




2. A LEAP advoga a eliminação da política de proibição das drogas e a introdução de uma política alternativa de controle e regulação das drogas, incluindo pertinentes regulamentações impositivas de restrições à venda e uso de drogas em razão da idade, da mesma forma que existem restrições em razão da idade ao casamento, assinatura de contratos, álcool, tabaco, direção de veículos e operação de equipamentos pesados, direito de voto, e outras.

Drogas

http://www.mundoeducacao.com/drogas/


"Drogas são substâncias naturais ou sintéticas que, ao serem introduzidas no organismo, atuam sobre um ou mais de seus sistemas, produzindo alterações em seu funcionamento. A Lei nº 11.343, de 23 de agosto 2006, acrescenta, ainda, que drogas são substâncias ou produtos capazes de causar dependência.

Muitas vezes relacionamos esse termo a substâncias cujo uso é proibido, mas esse fato não é regra. Remédios, por exemplo, são considerados drogas, pois são contemplados na descrição dada no parágrafo anterior; e seu uso indevido ou excessivo pode provocar efeitos que vão além do tratamento de males e doenças. Cigarros e bebidas alcoólicas também são drogas, embora seu uso não seja proibido por lei – mesmo podendo provocar muitos danos ao organismo e também à sociedade.

O uso de drogas pela nossa espécie é bem antigo e, inclusive, muitas civilizações recorriam a substâncias psicoativas, encontradas em certas plantas, para serem utilizadas em rituais religiosos. Além disso, algumas drogas, como a maconha, são utilizadas para o tratamento de doenças. No entanto, os mesmos produtos, quando ministrados em contextos e quantidades diferentes, podem provocar efeitos também diferentes. Tal fato, relacionado também ao período de uso, pode provocar diversas consequências que ficam a desejar, e que muitas vezes não envolvem somente o usuário e sua saúde – principalmente se se tratarem de drogas proibidas por lei."

ENTRELINHAS



Escavei
Nas entrelinhas
Uma história novinha

sábado, 13 de setembro de 2014

Pikkety, o Papa e o retorno de Karl Marx - por Santiago Zabala

http://outraspalavras.net/destaques/pikkety-o-papa-e-o-retorno-de-karl-marx/

"Segundo o Papa Francisco, uma “reforma financeira” é essencial não apenas “porque o sistema socioeconômico é injusto em sua origem”, mas também “porque os mecanismos econômicos atuais promovem um consumo desordenado”. Um consumismo desenfreado somado à desigualdade é uma combinação nociva à sociedade, na medida em que “os excluídos não são mais os ‘explorados’, e sim os rejeitados, os que são considerados redundantes”.
É possível perceber que o Papa coloca em oposição não apenas um sistema econômico em que a exclusão é possível, mas um em que ela se tornou a regra, ou melhor, “o resultado de ideologias que defendem a autonomia absoluta do mercado e da especulação financeira”. Como um veraz filósofo pós-moderno, Papa Francisco conclui suas observações destacando como “estamos longe do chamado ‘fim da história’”, na medida em que o crescimento econômico, incentivado pelo livre mercado, em vez de proporcionar uma maior prosperidade para todos, aumentou “a corrupção desmedida e a deplorável sonegação de impostos, que assumiram dimensões globais”."

SANGUÍNEA



Na melodia
Da corrente sanguínea
Bate outro dia

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Ana C.



Nos meus versos
São tuas as entrelinhas
Como se de cada
Colarinho engomado
Voasse uma andorinha

(Ana C. - Ana Cristina Cesar - poeta)

terça-feira, 9 de setembro de 2014

PRÓXIMA FAÇANHA



A rainha cheira cama
A princesa confusa reclama
Neste reino todo mundo trama
Nem o rei sabe da sua fama
Nem o súdito porque apanha
Inveja tem uma sede tamanha
Entre este povo tudo se barganha

Amor, vida e a próxima façanha.

domingo, 7 de setembro de 2014

INTERNET - PAIS INFANTIS E BANALIDADES - Lais Fontenelle Pereira

http://outraspalavras.net/destaques/internet-pais-infantis-e-banalidades/

"Online sempre. Status: Disponível. Perfil: Público. É assim que a maioria das pessoas se apresenta ao mundo, hoje. Vivemos conectados às redes sociais trocando informações, opiniões, vídeos, fotos, intimidades – desde que acordamos até a hora de dormir. Não seria demasiado afirmar que elas têm sido nossas companhias mais assíduas. Daí que o espaço virtual tem tomado dimensões públicas que merecem atenção.
A espetacularização da vida cotidiana nas redes exige uma reflexão sobre a forma como temos educado as crianças para o uso dessa ambiência comunicacional. Será que os ditos nativos digitais (que já nasceram no império das novas tecnologias) estão de fato preparados emocionalmente para o uso dos meios de comunicação? Conseguem ter o devido cuidado e respeito aos limites entre o que deve ser público e privado? Será que, como adultos cuidadores, temos nos comportado de forma ética nas redes e dado exemplos de autocuidado?
...
Em nosso tempo, o ambiente virtual é um espaço para exercitar a cidadania e o convívio social difuso, e por isso as dimensões de liberdade e segurança precisam ser muito bem expostas às crianças. A educação para uma cidadania digital se faz urgente, para que a apropriação desse espaço se dê de forma mais ética. Mas, para que isso aconteça, nós adultos devemos primeiro repensar a relação que temos estabelecido com as redes sociais. Precisamos nos desconectar para ter mais tempo de concentração no que é urgente e importante – mais tempo de escuta, de reflexão, encontro e mediação com crianças e jovens. Porque as melhores coisas do mundo, parodiando o excelente filme da Lais Bodansky sobre adolescer na contemporaneidade, devem sem dúvida permanecer privadas ou ser narradas com a devida calma. Curtir, compartilhar e comentar tudo, 24 horas por dia, não são obrigações e ser seguidas. Já educar nossos filhos, nativos digitais, para o uso adequado das redes sociais é, sim, nossa responsabilidade."

SONHOS



Dos meus sonhos
Sem tamanho
Guardo o que é estranho

sábado, 6 de setembro de 2014

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

VIDA


Não desista – sem razão
Na mão – na contramão
Calado – tagarela
Insista na vida – tão bela

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

VERSO UNIVERSAL



Verso – outro verso
Desconverso
Saudade – meu universo

MAGIA AO LUAR E O AMOR COMO SÍNTESE - por JOSÉ GERALDO COUTO


http://outraspalavras.net/destaques/magia-ao-luar-e-o-amor-como-sintese/

"Crer ou não crer, eis a questão. Na dialética proposta por Woody Allen, se a fé é a tese e a descrença é a antítese, uma síntese possível seria o amor, capaz de evidenciar, sem explicar, a substância mágica de todas as coisas do universo, inapreensível tanto pela ciência como pela religião.
O método de construção aqui é o que, com alguma liberdade, poderíamos chamar de socrático: o diálogo que solapa certezas e introduz a dúvida. O discurso do protagonista se enche progressivamente de expressões adversativas, do tipo “apesar de”, “se bem que”, “não obstante” (“in spite of”, “though”, “notwithstanding that”)."